Do tinto ao branco: o vinho que faz bem à saúde

A bebida que mais teve destaque na Feira da Providência

WhatsApp Image 2017-12-04 at 17.43.52
Foto: Ana Beatriz Bernardo

O vinho é uma das bebidas que mais faz bem para a saúde. Segundo a Sociedade Europeia de Cardiologia, uma taça diária diminui em 11% o risco de infecção por bactérias, que podem causar uma série de doenças, como úlcera e gastrite, e ajuda a preservar a memória. Além de melhorar a qualidade de vida, atua na mobilidade, no emocional e na habilidade das pessoas. As uvas são transformadas em vinho há milhares de anos através da vinificação.

Esse processo é diferente em cada continente, mas é comum em todos que a uva seja colhida quando atinge a maturação dos açúcares e ácidos necessários. Os cachos são cortados, selecionados, vão para uma esteira onde são amassados e, depois, para a fermentação. “Alguns vão para a barriga de carvalho e outros para a barriga de ácido inoxidável. Tem vinhos que ficam de seis a oito meses para ser engarrafado”, conta Crebil Ferman, importador de vinho da Global Wine.

WhatsApp Image 2017-12-04 at 17.43.54
Foto: Ana Beatriz Bernardo 

E a parte mais difícil é trazer os vinhos para o Brasil. Além da empresa, é necessário ter um Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros (RADAR), sistema usado pela Receita Federal, que permite a importação e exportação das empresas. “O produtor do país exportador manda uma ficha técnica para o país importador e um certificado de origem”, explica Crebil. Após a chegada, a bebida passa por um laboratório brasileiro para que seja checado se está dentro das leis. Depois de todo esse procedimento, está pronto para ser vendido e consumido.

E isso varia de acordo com as ocasiões. Os vinhos brancos acompanham melhor um peixe, salada ou frango. Já os tintos combinam mais com carnes. E os festivos: proseccos, espumantes e champanhes, são ótimos para a entrada. As massas ficam entre o branco e o tinto. “Se o molho for branco, vinho branco. Se for qualquer outro, geralmente o tinto fica melhor”, esclarece Crebil. O consumo também depende de uma boa acidez, sendo assim, bom apetite!

Ana Beatriz Bernardo, 4º período

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s