Uma bolsa de sangue, quatro vidas salvas

Profissionais da área de saúde se reúnem para atrair a população em doações

1
Foto: Karina Figueiredo

A solidariedade humana que salva vidas está no mês de comemoração. No último sábado (25/11), os doadores de sangue de todo o Brasil foram convocados para uma celebração em homenagem àqueles que reservam parte do dia com o intuito de ajudar o próximo. Essa data não apenas parabeniza os benfeitores como também promove uma grande mobilização em todo o país, com o objetivo de coletar mais sangue em locais onde houver o acesso público.

Escolher um espaço de grande motivação foi a iniciativa do Hemorio, que com o apoio da Secretaria de Estado de Saúde, instalou na Cinelândia uma base a fim de receber a contribuição dos voluntários que começou na terça-feira (21) e foi até sexta-feira (24), de 7h ás 19h. Serviços como: exames para verificar a diabetes e o câncer de próstata oferecidos gratuitamente estavam à disposição do doador. O Detran também aderiu a causa e montou um posto de atendimento para confeccionar ou renovar a carteira de identidade e habilitação.

O evento faz parte de uma ação em conjunto com a sede, que fica na Rua Frei Caneca número 8, no Centro, aberto diariamente, inclusive aos feriados, das 7h ás 18h. O policial militar Michel Fidelis, há sete anos como doador, revela que a motivação estava relacionada com as necessidades nos centros cirúrgicos, principalmente, em casos de graves acidentes, fato que ocorreu com um dos seus familiares e fortaleceu o PM a continuar na campanha.

Outro policial, que saiu em defesa da demanda, foi João Pereira da Silva Filho, 32 anos. “Eu gosto de doar e ajudar. Pois, da mesma forma que alguém possa precisar eu também posso ter essa necessidade no futuro”, declara o agente que abraça o movimento há 13 anos. No caso de Renata Dias e Jorge Luciano Menezes Vitalino a sensação foi diferente, ela estava ali pela primeira vez e sentiu a vontade de colaborar após alguns dias de acompanhamento de um familiar na unidade. Ele também esteve no hospital de primeira, mas já tinha o costume de doar no Hospital dos Servidores. “É o mínimo que eu posso fazer”.

O grande gesto desses doadores abastece a fundação que redistribui para diversos municípios do estado e tenta sobreviver com os altos e baixos períodos do ano quando o número de bolsas é inferior ao requisitado. A enfermeira Paula Maia lamenta não poder cooperar por ter hipotensão (pressão baixa) e não se sentir confortável ao passar pelo procedimento. Mesmo assim, ela divulga a campanha todos os dias e toda hora. ” Nos preparamos para manter um bom estoque pois não é possível saber o momento em que a procura será alta”.

E essa busca tende a aumentar com a proximidade das comemorações de fim de ano e o carnaval. A instituição tem capacidade para atender cerca de 400 pessoas por dia, nas coletas móveis o número pode chegar até 300, dependendo da quantidade de indivíduos que houver nas universidades, empresas ou igrejas, por exemplo, que solicitarem o atendimento nesses locais para aproximar o doador dos polos de coleta. Tal atividade é realizada mediante ao agendamento, no qual um profissional do Hemorio marca uma visita ao local para avaliar se o ambiente tem as devidas condições para prestar o serviço. Assim as conquistas aumentam junto ao dever de manter e salvar vidas dos que estão doentes ou sofrem acidentes.

Karina Figueiredo – 3º período.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s