Maio Laranja e o acolhimento às vítimas de abuso 

No mês em destaque, a conscientização e a atuação de serviços sociais são capazes de transformarem a vida de crianças e adolescentes

*Para preservar a integridade das fontes, as personagens dessa matéria, denominadas como Catarina Souza e Chloe Souza, são nomes fictícios.

18 de maio é o dia nacional de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. O mês marcado pela cor laranja, que ganhou visibilidade após a criação do perfil “@maiolaranja” na rede social Instagram no ano de 2020, faz um alerta sobre a importância de proteção às vítimas e denúncia aos agressores.

Catarina Souza é mãe de Chloe Souza de 6 anos e conta que decidiu procurar ajuda após  perceber que sua filha teve algumas alterações comportamentais que não eram comuns em crianças.  A menina apresentou reações como timidez, medo e agressividade devido ao acontecimento.

Com a chegada no ‘Instituto é ‘Possível Sonhar’ através da indicação de uma amiga, a mãe revela que recebeu ajuda psicológica para compreender a si mesma e também a filha. “Vejo minha Chloe melhorando dia após dia, mais feliz e alegre, seu comportamento e emoções mudaram, eu sou mais paciente comigo mesma e com a minha filha, vejo esperança”, relata Catarina.

A coordenadora de RH Isabella Cardeal explica que a ideia da criação do instituto veio da idealizadora e psicóloga Daniela Generoso, que após ter sofrido abuso sexual na infância encontrou a necessidade dessa ressignificação para as vítimas. A partir daí surge a ONG.

Isabella fala sobre o 1° acolhimento.

A coordenadora explica que o instituto oferece diversas atividades sociais para inserir a vítima no processo de recuperação. Como por exemplo: atendimentos psicológicos individualizados,  aulas de reforço escolar, dança e atividades desportivas. O Instituto tem uma equipe de profissionais multidisciplinares como psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, pedagogos, neuropsicólogos e advogados. Ainda assim, há a utilização de um modelo de  trabalho personalizado para atender a demanda dos pacientes.

A ONG funciona desde 2019 e já ajudou em média 400 crianças e adolescentes. Atualmente, 75 crianças são beneficiadas pelo serviço. “Nosso objetivo é expandir e suprir a demanda, alcançar quem de fato precisa, podemos e fazemos a diferença nessas vidas, não só contemplando o estado do Rio de Janeiro, mas o Brasil”, fala Isabella.

Para a psicóloga Barbara Cristine Wright da Silva, o acolhimento proporciona à criança e ao adolescente a liberdade e confiança no espaço terapêutico. Ela conta que esse ambiente é importante para receber queixa sem opiniões ou julgamentos que possam deixar a vítima  constrangida a modificar o relato pessoal.  

As sessões de psicoterapia acontecem de forma lúdica com crianças e adolescentes a partir de jogos, brinquedos, desenhos e brincadeiras  que desenvolvam a imaginação. Com duração de cinquenta minutos, cada sessão é individualizada para pensar no bem estar do paciente. Elas ocorrem em um ambiente planejado para que a criança venha se sentir livre.

Psicóloga fala dos impactos da psicoterapia na vida das vítimas.


É possível compreender que o acolhimento humanizado é capaz de transformar a vida de inúmeras vítimas do abuso sexual, ao resgatar a esperança de um futuro. “A ONG  proporcionou a muitas mulheres, crianças, adolescentes e todas as famílias um espaço de acolhimento, onde oferecemos além do acompanhamento psicológico, o auxílio para a reinserção dessas pessoas a sociedade, gerando um impacto positivo em todas as áreas da vida de cada um”, conclui Barbara.

Gabriela Machado – 5º período

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s