42% dos brasileiros tiveram redução na renda em 2020

Pesquisa revela a conjuntura atual das famílias brasileiras

A pandemia do novo coronavírus desencadeou uma crise sanitária e em outras áreas, inclusive na econômica. Segundo estudos da plataforma Hibou, empresa de pesquisa e monitoramento de mercado e consumo, 42% dos brasileiros estão com menos dinheiro em 2020. Essa diminuição impactou o consumo e, consequentemente, a venda de produtos e serviços.

Impossibilitado de seguir com suas atividades em home office, Bruno Neves foi um dos brasileiros que teve a rotina prejudicada. O fisioterapeuta foi afastado das clínicas em que trabalhava no início da pandemia. “Me vi estagnado, sem poder atender meus pacientes de forma presencial, e isso influenciou diretamente na minha renda”, disse. Diferente de outras profissões, a fisioterapia é sobretudo presencial e Bruno teve que se adequar ao momento. 

Assista o vídeo do Bruno contando sobre como a pandemia impactou diretamente na sua renda

Apesar do programa de distribuição de renda do Governo Federal, os indicadores da pesquisa mostram que grande parte dos brasileiros foi prejudicada. A taxa de desemprego era de 11,2% em janeiro de 2020 e em julho do mesmo ano chegou aos 13,8% segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O Banco Mundial estima que o Brasil tenha um PIB de menos 8% em 2020. 

Para June Rothstein, economista e professora da Universidade Veiga de Almeida, a crise econômica que se desenrolou ao longo do ano impôs a tomada de decisões importantes e segue em constante mudança. “Agora a gente tá vendo um outro desenho bem mais complicado que é a redução dos empregos efetivamente”, afirmou a economista. 

Ouça o áudio de June Rothstein sobre o panorama econômico atual

As pessoas tiveram que se reinventar a fim de manter condições de vida possíveis. Para Bruno, a alternativa foi empreender. Ele começou atendendo alguns pacientes em casa, com o auxílio da maca e de alguns equipamentos e investiu na monitoria online. “Tive que me adaptar à nova realidade. Ofereci monitoria online das disciplinas de Anatomia e Biomecânica para alunos dos cursos da área da saúde”. Neste momento, Bruno voltou a atender presencialmente todos os pacientes e atletas e foi admitido em um clube de futebol.

No caso dele, empreender foi a alternativa viável num momento crítico, mas June afirma que as práticas empreendedoras devem ser estimuladas independentemente de crises. “O país precisa de vigor empreendedor”, explica a professora e ressalta que esse vigor está ligado à geração de emprego e renda, tendo grande potencial econômico. Portanto, empreender pode ser uma alternativa em um ambiente de incertezas.

Empreendedorismo: autônomos que superaram as dificuldades da pandemia

A atual conjuntura fez com que empresários individuais e autônomos sofressem os impactos nos negócios. As empreendedoras Juliana Neves e Luiza Torelly repaginaram as empresas para enfrentar a pandemia. Juliana trabalha com acessórios de moda e Luiza é do ramo de vestimentas fitness, ambas se viram obrigadas a mudar a estratégia para geração de renda. 

Juliana Neves é Dona da marca Negaju e empreende desde os 18 anos. Ela se adaptou à nova realidade e passou a promover a conscientização sobre os protocolos de segurança contra a contaminação pelo SARS-Cov-2. Além das vendas pelo e-commerce, os produtos da Nega Ju chegam aos clientes com álcool em gel e instruções de precaução. “As minhas vendas dispararam”, contou a empresária. 

Assista o vídeo da Juliana contando sobre os próximos passos da marca

A situação de Luiza Torelly, proprietária da Lully Fit, já era delicada antes e foi agravada pela pandemia. Ela teve que encerrar as vendas em loja física, mas tirou do papel uma vontade há muito engavetada. “Durante a quarentena eu consegui focar no site. Tem que fazer acontecer”, disse Luiza. Além de migrar para o e-commerce, ela investiu na venda de máscaras, alcançando um novo público.

Ouça o áudio da Luiza sobre as dificuldade enfrentadas por conta da pandemia

Luiza e Juliana são parte de um cenário já consolidado no país. De acordo com um levantamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o Brasil é um dos países com maior proporção de mulheres entre os seus “Empreendedores Iniciais”. Isso é um reflexo da estrutura patriarcal e racista da sociedade, mulheres e pessoas pretas fazem parte do grupo que mais costuma ser afetado pelo desemprego. 

Apesar do cenário desfavorável, os brasileiros seguem otimistas para o futuro. Segundo levantamento do Hibou, 63% dos entrevistados estão otimistas e 31% acreditam em horizontes mais agradáveis num futuro próximo, mostrando que as crises não apagaram uma das características nacionais: a esperança. 

Gabrielle Lopes - 6º período
Rafaela Barbosa - 8º período

Um comentário

  1. Parabens Gabi. O trabalho está muito bem feito. A ideia de incluir o Bruno na materia, foi espetacular. O depoimento dele foi verdadeiro e estimulador para os leitores. Continue nesta linha de trabalho que voce vai longe. Beijos.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s