Liderança feminina nos meios de comunicação

Um retrato da desigualdade de gênero no mundo jornalístico

Assista ao videojornalismo: “As Mulheres em Cargos de Liderança nos Meios de Comunicação

.

Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no Brasil a parcela feminina ultrapassa a masculina, contabilizando um total de 51,7% de mulheres e 48,3% de homens. Entretanto, em termos de “mercado de trabalho”, a regra não se aplica na mesma proporção, e nos meios de comunicação a disparidade é maior ainda.

Desta parcela feminina, a porcentagem de mulheres que possuem vinte e cinco anos ou mais e que concluíram ensino superior somam 33,9%, já a dos homens, apenas 27,7%. Os dados apontam que mulheres possuem maior grau de escolaridade e, no entanto, não desfrutam das mesmas oportunidades e direitos.

Segundos dados divulgados em 2019 pela Workr (Plataforma de comunicação corporativa desenvolvida pelo Comunique-se), nos setores de comunicação do país a presença feminina representa menos da metade, cerca de 15 mil mulheres atuantes, o que equivale a somente 36,98% do mercado. E nos cargos de liderança os números são mais díspares, cerca de 32,18% nestes postos.

Infográfico: Gabrielle Lopes

Preconceitos com a liderança feminina

A jornalista Carla Alves revela que é necessário seriedade para lidar com eventuais piadas na redação do Jornal O Dia, onde é Diretora. “Eu sou a única mulher em cargo de chefia. É preciso ter jogo de cintura para pontuar quando aquilo se excedeu. Só quando nos colocamos, que os homens percebem o que tem de ruim nisso”. A diretora garante que nunca foi desrespeitada no ambiente de trabalho. Já a jornalista Daniela Christoffer relata alguns problemas com a figura de liderança. “Fui chefe de reportagem na Band durante um ano e meio e tive muitos problemas com os homens de redação por sugerir e não ser acatada”.

A psicóloga organizacional, Ana Paula Ribeiro, explica que as causas da desigualdade de gênero no mercado, se dão devido a fatores históricos previamente estabelecidos. “Historicamente éramos uma sociedade patriarcal, a mulher lutava muito e não era bem vista quando saía de casa para trabalhar. Só que agora estamos no século XXI, então acho que todo esse fator histórico já está bem explicado e como nós ainda temos essa questão?”

Gabrielle Lopes – 5º Período | jornalismo ………………………………………………………………………………….. Julia Santos – 5º Período | Jornalismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s