Live discute o ensino de Arquitetura e Urbanismo durante a pandemia

Conversa teve foco nas mudanças proporcionadas pelo isolamento

A Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura e Urbanismo (ABEA) realizou na última terça feira (19) a live “Emergências e Pendências no Ensino de Arquitetura e Urbanismo durante a Pandemia”. O debate aconteceu no Youtube e contou com a presença de profissionais e professores da área, além da diretora do Campus Barra, da Universidade Veiga de Almeida, Nara Iwata.

Mediado pelo professor Carlos Murdoch, o Webinar ouviu os representantes dos envolvidos no processo de ensino de Arquitetura e Urbanismo no Brasil. Além de Nara, representante das instituições de ensino privadas, falaram: Carlos Eduardo Nunes-Ferreira, professor da UVA e Vice-presidente da ABEA, representando os docentes; Fábio Muller, coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Maria, representante das instituições públicas de ensino; e Ananda Henklain, Diretora de Ensino, Pesquisa e Extensão da Federação Nacional de Estudantes de Arquitetura e Urbanismo (FeNEA), representante dos estudantes.

A discussão teve foco nas adaptações necessárias para o ensino remoto durante a pandemia do coronavirus. Ananda Henklain, defendeu que alguns estudantes de Arquitetura e Urbanismo são contrários à virtualização, uma vez que a atitude possa soar discriminatória. “A gente tem visto muitas reclamações dos estudantes. É uma mudança muito brusca e, apesar da arquitetura ser uma área tecnológica, é preciso ter calma para não excluir acadêmicos que não tem as condições mínimas para isso”.

A diversidade de condições dos alunos foi a principal preocupação na hora da mudança no modelo de ensino da Universidade Veiga de Almeida (UVA). Entender as realidades discentes foi uma tarefa apontada pela diretora do campus Barra.

Veja o depoimento da diretora Nara Iwata:

.

Para o professor Carlos Eduardo Nunes-Ferreira, a virtualização foi necessária, mas é necessário entender que algumas matérias práticas precisam da vivência no campo. Segundo ele, existem elementos das aulas presenciais que são insubstituíveis. Ele conta que estava prestes a iniciar um projeto com alunos e professores em Madureira, mas que por conta da pandemia esse projeto passou a ser virtual. “A gente não consegue trabalhar plenamente um terreno de forma virtual. Com a tecnologia e os dados a gente consegue parametrizar, mas é preciso estar no local também”, finaliza.

Pedro José Alves – 7º Período | Jornalismo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s