Resgate da cultura indígena

Universitários fazem imersão na aldeia Pataxó


Projeto promove engajamento entre culturas – Foto: Marcela Leite 

A cultura brasileira se dá por uma mistura de legados que se encontraram ao longo da história, mas a nuance pioneira – nascida e criada no Brasil – é a indígena. Unindo atividades voltadas para o aprendizado profissional e o desejo de auxiliar na recuperação e valorização de uma das principais heranças históricas do país, foi criado um projeto que promove uma jornada de imersão em uma aldeia Pataxó.

A terceira edição do “Arquitetura indígena: tradição e intercâmbio cultural” aconteceu no último fim de semana (23 e 24), a ação consiste em levar estudantes de diversas universidades para participarem de um workshop de arquitetura na tribo indígena, que fica localizada em Paraty (RJ). Os alunos aprendem todo o processo da construção de uma oca: desde a identificação e escolha dos materiais retirados da própria natureza e a consistência correta do barro, até a montagem dos esteios – que dá a estrutura. Tudo é realizado em etapas para que todos possam fazer parte e entender cada aspecto do trabalho.

Os participantes também têm contato com rituais, costumes, artesanatos, esportes e culinária típica, fazendo uma imersão na “nova” realidade cultural. “Há muito tempo que eles estão com essa ideia de ativar uma espécie de etnoturismo – algo que começou a ser feito pela preservação da cultura deles – que é visitar em harmonia com a natureza, ao contrário do turismo exploratório que é o que se costuma fazer”, explica Igor de Vetyemy, diretor da Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura e Urbanismo, do Instituto Niemeyer e professor da Universidade Veiga de Almeida.


Estudantes aprendem a construir a tradicional casa indígena – Foto: Igor de Vetyemy

Pelo olhar de quem vivenciou, a experiência foi gratificante. “Eu achei incrível! Não só a parte de poder ajudar a construir uma moradia clássica, da cultura deles, mas poder conviver. Me trouxe reflexões sobre estilo de vida: como existem várias formas de se viver e ser feliz que não necessariamente estão ligadas ao estilo da cidade”, comenta Marcela Leite, de 18 anos. A estudante de fotografia pontua ainda a importância social por trás de projetos como esse. “É algo tão brasileiro e ao mesmo tempo tão apagada pelos próprios brasileiros. Quanto mais as pessoas conhecerem, mais elas vão respeitar. Quanto mais for compartilhado, mais difícil é de ser esquecido”.

Ainda que o projeto pareça exclusivamente voltado para o curso de arquitetura, Igor garante que ele é aberto para todos – até para não universitários. “Eu sempre digo que a visita de estudos de arquitetura indígena é mais uma desculpa para entrar em contato com essa civilização riquíssima”, brinca o indigenista que já possui até nome na aldeia: Igor de Vetyemy Ipãmakãyê (que significa “professor” na língua original) Pataxó. “O importante é oportunizar esse contato com a cultura que está no sangue de todos nós”, finaliza.


Os índios levaram os visitantes para conhecer a cachoeira da aldeia – Foto: Marcela Leite

Julia Morais – 7º Período | Jornalismo

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s