Os Fulni-ô na selva de pedra

Feira de conscientização ambiental reúne aulas de culturas indígenas no Rio de Janeiro

WhatsApp Image 2018-04-16 at 22.53.37
Foto: Bárbara Faria

A conscientização do meio ambiente está cada vez mais enraizada na sociedade. No último fim de semana, nos dias 13, 14 e 15 de abril, o shopping Downtown abriu espaço para um encontro significativo: a 11ª edição da Feira Liberta. O evento, que foi realizado pela terceira vez no shopping, trouxe debates sobre a vida livre e mais autônoma. Durante os três dias, houveram palestras, rodas de dança e artesanatos com os membros da tribo Fulni-ô.

A cultura indígena marca presença em determinados locais do Brasil. A única tribo que restou no Nordeste e que mantém a própria língua, “Yaathê”, é a Fulni-ô, que significa “índios da beira do rio”. A população se encontra na região da cidade de Águas Belas, em Pernambuco. Apesar de viverem em aldeia, eles precisaram se adaptar ao mundo atual com casas de alvenaria, celulares e redes sociais. Com a ajuda de produtores, eles foram convidados a virem à feira, com o objetivo de mostrar o conhecimento e também aprender algo novo na cidade maravilhosa.

WhatsApp Image 2018-04-16 at 22.53.34
Foto: Bárbara Faria

O povo indígena dividiu um pouco da vivência com quem estava presente . Foi preciso mudar em alguns aspectos. O membro da tribo, Ponan Amorim, ou Thúl’kya na língua deles, comentou sobre o fato das pessoas que moram na cidade não entenderem as mudanças na cultura. “Não é porque eu sou índio que eu não posso estudar, que eu não posso possuir algo que o branco tem”, relata Ponan. O preconceito por parte dos brancos existe até hoje, mas os que restaram lutam pelos direitos.  

Esse é um dos exemplos da troca de experiências que o evento propõe. De um lado, os indígenas contaram um pouco da história e origem da tribo, cantaram e fizeram rodas de dança com as pessoas que foram à feira e trouxeram artesanatos, uma das principais fontes de sobrevivência deles. Do outro, os visitantes fizeram um programa em família e se aproximaram de uma cultura diferente. A mãe Ana Paula Cardoso, de 40 anos, levou o filho Rodrigo Cardoso, de 5, para visitar a feira e afirma que foi indicação do da professora de música.  “Aproveitei para comprar algo e incentivar e aproximá-lo da cultura indígena”.

A publicitária e ativista Vanessa Moutinho foi uma das palestrantes da feira e discutiu o tema  “Dinâmica de despertar dos talentos para humanizar as novas economias”. Vanessa já tinha uma aproximação com os indígenas e procura estar sempre ligada a eles. “Desde criança as histórias dos indígenas me tocavam porque era uma coisa lúdica, eles estavam conectados com a natureza e eu sentia uma saudade que não sabia explicar”. Hoje, faz parte de um grupo no Rio de Janeiro, o Guardiões Huni Kuin, que significa “o povo verdadeiro” e também é o nome de uma das etnias do Acre.

WhatsApp Image 2018-04-16 at 22.53.38
Foto: Bárbara Faria

Essa conscientização criada por grupos sociais também foi o ponto principal do evento, que envolveu o público com gastronomia saudável, moda alternativa, cosméticos naturais, artesanatos e a diversidade do país. Ponan ainda ressalta a importância dessa possibilidade de expandir a cultura e mostrar a igualdade entre os povos.  “Somos todos iguais diante de uma visão divina”, conclui.

Bárbara Faria, 5º período

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s